segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Conheça a história da Denise Ormindo

Foto da Denise Ormindo 


Na semana passada, tivemos a alegria de receber um depoimento lindo da Denise Ormindo, de São Paulo. É maravilhoso ter o privilégio de fazer parte da história de tantas pessoas e podermos ajudar a transformar tantas vidas. Aos poucos, a Denise está costurando um novo capítulo na sua história. Uma história de muitas conquistas. Pois, como ela mesma disse, “somos todos parte de uma colcha de retalhos chamada vida”.

Confiram abaixo o lindo depoimento que a Denise nos enviou.




Minha história

Sou filha de mãe costureira e pai sapateiro. Cresci em meio a linhas, agulhas e tecidos, numa época em que havia pelo menos uma boa costureira em cada vila e lojas de armarinhos nos bairros.

Desde muito cedo tive contato com esse universo: a casa era um entra e sai de mulheres. Minha mãe era, além de excelente costureira, amiga, confidente e ótima "psicóloga". Quando uma cliente atravessa a ponte da prestação de serviço vira amiga. Essa confiança na profissional se torna uma laço lindo (pelo menos antigamente era assim).

Ao entrar na escola, percebi que minha mãe não sabia ler e escrever (e ela costurava desde os sete anos). Ela fez o mobral quando entrei na primeira série da escola.

Como estava sempre com ela, onde quer que fosse, inclusive nas lojas de tecidos, armarinhos em geral, minha percepção sobre o mundo da costura foi ficando cada vez mais aguçada.

Com dez anos comecei a dar os primeiros passos indo buscar linhas e aviamentos nas lojas próximas de casa. E ai de mim se a linha não chegasse na cor certa. rs

Com 11/12 anos, já tirava as modelagens da Revista Manequim que minha mãe tinha em casa. Antes disso ela fazia de olho. Depois, quando a cliente escolhia um modelo, eu toda eufórica tirava os moldes da revista para a minha mãe.

Mas como o mundo dá muitas voltas, casei aos 17 anos e fui mãe aos 18. Aos 27, me vi com quatro filhos (o mais velho com dez anos e a caçula com 6 meses) abandonada pelo marido e sem norte algum na vida. Foram tempos difíceis, de muita luta e perrengues pra criar e sustentar os meus filhos.

Comecei a trabalhar fora e fiz de tudo um pouco. Ganhei um curso de confeitaria e passei a trabalhar na área. Nesse intervalo de tempo, havia perdido meu pai. Seis meses depois que casei, a saúde da minha mãe já não era a mesma e, por conta do diabetes, ela foi aos poucos parando de costurar. Ficou praticamente cega e teve que abandonar a profissão.

Minha mãe tinha deixado comigo por muito tempo uma máquina de costura Singer, das antigas, e eu me aventurava a fazer algo.

Minha maior felicidade foi o dia em que ela aprovou uma saia lápis que fiz. Já morando em outro bairro e com uma Singer, quase da minha idade, fazia algumas peças. Fiz todos os vestidos da gestação de uma amiga minha, vestidos de daminhas de casamento e algumas coisas pra casa.

Ao mesmo tempo que precisei trabalhar fora, voltei a estudar. Concluí o ensino médio, fiz Enem e consegui uma bolsa integral na faculdade de gastronomia.

Aos 36 anos estava na faculdade e ao mesmo tempo mil coisas estavam acontecendo na minha vida. Sempre com a costura entremeando as coisas, mesmo de uma forma simples, sutil. Os filhos cresceram, foram tomando rumo na vida.

Durante a faculdade, meu irmão mais velho faleceu, o que agravou ainda mais a situação da minha mãe. Já quase dois anos depois de formada, Deus disse numa palavra que iria mudar minha profissão na terra, e mudou.




A VIDA É UMA COLCHA DE RETALHOS


Voltei às origens.

Comecei a prestar serviço voluntário de costura e como minha caçula precisava da minha presença, porque os meus filhos mais velhos já estavam em fase de trabalhar fora e estudar, a costura se encaixou perfeitamente nesse momento.

Podia acompanhar tudo, ter renda dentro de casa. Minha maior paixão são os vestidos de noiva e festa. Comecei a costurar em casa, com aquela máquina antiga.

Mas àquela Denise, curiosa e inquieta sempre foi atrás da informação, da ajuda, da pesquisa. Queria modelar do zero, era muito difícil não poder fazer um modelo da revista que não se encaixava no manequim da cliente.

Aquele meu irmão falecido havia me dado de presente o material da Vogue, mas era uma modelagem que nem sempre dava certo. Contudo, era melhor que nada. Com base nele, fui aprendendo errando e corrigindo, mas eu queria mais.

À medida que fui trabalhando, com toda a dificuldade que toda costureira enfrenta, consegui fazer uns cursos gratuitos e finalmente aprendi a modelar do zero. Foi muito útil, mas mesmo assim cavas e mangas sempre foram um grande problema. Resolvia, mas sofria muito até resolver.

Depois de 19 anos, voltei ao bairro que nasci. Continuava tentando fazer o melhor na modelagem, algo mais técnico e mais bem feito.

Até que, com um melhor acesso às coisas, conseguimos internet em casa e junto com o wi-fi o mundo do YouTube e da costura se abriu pra mim. Assisti incontáveis vídeos para adquirir mais conhecimento.

Há quase quatro anos, depois de seis anos muito difíceis, minha mãe faleceu. Somos todos parte de uma colcha de retalhos chamada vida.


A CHEGADA DO MÉTODO DE CORTE CENTESIMAL


Não sei em que época ao certo mas, vez ou outra, ouvia falar sobre o Método de Corte Centesimal. Mas não liguei os pontos, sempre deixava pra lá.

Nas coisas da minha mãe vieram junto alguns métodos e modelagens (uma das primeiras edições da Sigbol inclusive).

Mas, nenhum deles conseguiu me atender por completo e seguia em busca da cava perfeita.

Desde aquela menina, que percorria os armarinhos da vila, até a avó que sou hoje (fui vó aos 40), vi e vivi muita coisa e me deparei, infelizmente, com a finitude daquela cultura da costureira da vila e junto com ela a finitude das lojinhas de armarinhos dos bairros. Em 2000, a última no bairro que morava na época fechou. Houve um apagão no setor.

Segui lutando, com muita dificuldade financeira, pois cuidar da família e ser pai e mãe não deixava espaço pra mais nada.

Há quatro anos, minha filha caçula saiu do ensino médio, Como eu desde criança gostava de desenhar roupas e não tinha aptidão nenhuma pra isso, decidi então prestar o vestibular junto com a minha filha, para o curso técnico em modelagem do vestuário, da Etec São Paulo.

Fizemos a inscrição e lá fomos nós, alegres prestar a prova. Passei em segundo lugar e ela acabou não conseguindo, infelizmente.

Entrei no curso e para minha surpresa o quebra cabeças da minha vida inteira se juntou nele. Toda minha inquietude, sede por saber, por me informar, todas minhas questões internas simplesmente se encaixaram.

Foi lindo e louco ao mesmo tempo. Toda bagagem acumulada de anos e anos de tudo, de vida, de histórias, de amigos, tudo convertia pra isso e essa era a peça que faltava. Mas ainda continuava em busca da cava perfeita.

Há uns dois anos, uma tia minha viajou até outra cidade pra ter uma aula de costura. E voltou da viagem com mais um “método”.

Eu que andava meio descrente de tantos métodos, vi aquele "monte de réguas" e nem dei muita atenção.

Fiquei de tirar um tempo pra entender pra poder ajudá-la, porque ela tinha feito apenas uma aula. Mas ainda não consegui parar pra poder fazer isso.

Até que, um dia, assisti por acaso um vídeo da Lara Rogedo contando a história de um método de modelagem de roupas. Porém, ainda não havia ligado os pontos que seria o mesmo método que essa minha tia tinha trazido de fora.

Fiquei encantada com a história e por saber que foi a partir da observação de um engenheiro que foi construído todo o método e aquilo me interessou muito.

Como nada foi fácil até aqui, como “vendemos o almoço pra comprar a janta”, não sobrava dinheiro pra fazer o curso.

Aí tive o clic. Percebi que aquele método que aparecia no vídeo da Lara Rogedo, era o mesmo método que a minha tia havia aprendido na outra cidade.

Mas, como minha tia não tinha me emprestado para estudar o material dela, fiquei sem jeito de pedir e o tempo foi passando.

Até que esse ano, na primeira parcela do meu auxílio emergencial consegui comprar à vista o material do Método de Corte Centesimal para mim.

Entretanto, estávamos em plena pandemia, com tudo parado, tudo fechado. A costura sob medida estava praticamente parada. Estava quase sem renda e sem ânimo pra nada.

Ao mesmo tempo, com as máscaras, foi uma época de muito trabalho. Graças a Deus, apesar dos percalços da vida, fiz bastante máscaras de tecido para vender. Com isso, não conseguia ter tempo para me dedicar aos estudos e poder abrir o meu livro.

Agora, de uns meses pra cá, a demanda por máscaras de tecido caiu muito, pois tem bastante gente produzindo. Em contrapartida, algumas clientes estão voltando.

Aí pensei. Não vou esperar pra fazer o curso não. Vou começar a estudar agora. Vou fazer igual aquela menina curiosa que descobriu como tirar os moldes da revista sem nem saber os nomes das peças ou linguagem técnica.

E, finalmente, a busca pela cava perfeita acabou.

Tomei coragem, abri o livro (inclusive fiz o post) e fiz a modelagem. Você não imagina o tamanho da minha alegria e surpresa ao ver a tela do vestido cair como uma luva nela! A cava não teve um milímetro de prova. Foi maravilhoso! Estou encantada com o Método de Corte Centesimal.

Precisei limpar minha mente de tudo que havia visto e estudado até então para poder entender como ele funciona. Mas foi rápida essa transição.

Ao ler com calma e seguir os passos foi possível fazer de primeira a modelagem. E mais: saiu perfeita! Já estou fazendo outro vestido para uma madrinha que, inclusive fez a prova na tela hoje, e foi outro desafio.

Quando a cliente é plus size ela tem muitas particularidades. Costura sob medida é um desafio a cada nova cliente.

Mas, ao entendermos como se aplica as escalas do Centesimal, conseguimos um excelente resultado. Agrega valor e agilidade e isso é sensacional. Pena não ter conhecido há mais tempo, pois teria me poupado muito trabalho. Hoje posso dizer que a cava perfeita existe.


Denise com o vestido criado e modelado por ela, com o Método de Corte Centesimal. 



REALIZANDO SONHOS


Aos poucos, estou conseguindo realizar pequenos sonhos. Estou me equipando com o necessário para trabalhar melhor. No ano passado, consegui uma reta e uma overloque novinhas. Esse ano, mesmo com toda a loucura que estamos vivendo, já consegui adquirir uma máquina de corte e um ferro industrial. E, assim que eu puder, também quero fazer o curso online de “Introdução ao Método de Corte Centesimal”. Creio que vai me ajudar a acelerar o processo de aprendizado.

Sabe, na faculdade, meu TCC foi todo em cima do que é descartado na indústria da confecção. Isso, há quatro anos. E hoje está havendo uma retomada do feito à mão, do natural, um resgate da costura.

Meu sonho agora é me tornar instrutora do Corte Centesimal. Quero me especializar para conseguir. Aqui em São Paulo tem campo pra trabalhar com isso. Mas falta quem ensine e eu amo ensinar.

Desde que voltei a estudar, percebi que de alguma forma, eu sempre ensinava as pessoas. E foi assim no supletivo, na faculdade fiz um curso “Jovem Professor'' e fiz curso de didática.

Encontrar vocês foi muito bom. Uma alegria. Porque agora vejo que sim, que tenho um bom material e uma metodologia boa pra passar pras pessoas.

Minha "cobaia" vai ser essa tia, que fez a aula e não continuou. Vou ajudá-la no entendimento.

Ensinar nos ajuda a aprender. A gente precisa mesmo se unir para deixar esse legado lindo da costura para as próximas gerações.


Meus contatos: 

Meu whatsapp 

11 993221893

ormindodenise@gmail.com

Instagram: @deniseormindo

Costura sob medida. 


---------------------------------------------------------

E você? Tem uma história com o Corte Centesimal? Compartilhe conosco. Queremos conhecer você. Escreve para carolina@cortecentesimal.com.br.



quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Sobre tabelas de medidas

 

Material do Método de Corte Centesimal e do Sistema Moldecópia 


Sei que nós já falamos sobre esse assunto em outros posts, mas é sempre bom relembrar algumas informações que fazem parte do nosso aprendizado.

Quem tem o livro do Método de Corte Centesimal ou do Sistema Moldecópia já percebeu que nós temos uma tabela de medidas que pode ser usada para a confecção industrial. 

Queremos deixar muito claro que essa tabela é apenas uma sugestão nossa, criada de acordo com o estudo de proporções da dona Carmen, a criadora do Método de Corte Centesimal.

O ser humano pode ter muitas variações de corpos, combinados entre si, levando em consideração a idade, o peso, estrutura óssea, raça, cultura e até a forma de se alimentar. 

Por isso, é praticamente impossível uma tabela de medidas que sirva a todos. 

E de fato esse é um grande desafio da indústria do vestuário, que busca uma tabela que tenha um padrão de proporções confiáveis e que sirva às confecções como orientação na criação dos diversos tamanhos de roupas. 

A tabela que adotamos em nossos livros é apenas uma sugestão e ela pode ser adaptada em função do público que se pretende atingir. 

Por exemplo, mulheres com mais de 50 anos, em função da menopausa, podem ter alterações nas medidas de contorno (perímetros), principalmente da cintura. Uma confecção destinada a este público vai se preocupar em fazer roupas com as devidas adaptações. 

TABELA INFANTIL

No caso da tabela infantil, há crianças de todos os tamanhos, com diferentes características de corpos: altas, baixas, gordas, magras, miúdas, grandes... então preferimos estabelecer a nossa tabela em proporções. 

É por isso que na tabela infantil não tem mais a indicação de idade e sim proporções. Teoricamente ela vai de 3 meses até 12 anos. 

Na família temos o exemplo de uma bisneta da dona Dora que tem 7 anos, mas veste roupa assinaladas como sendo de 12 anos. Já a outra bisneta que acaba de fazer 9 anos, veste roupas com indicação mesmo para crianças de 9 anos. Quem aqui não tem exemplos assim na família?

DIFERENCIAL DO MÉTODO DE CORTE CENTESIMAL

E aí que está o grande diferencial do Método de Corte Centesimal. Por ele trabalhar com um sistema de escalas, não é o corpo que tem que se adaptar ao método de modelagem. E sim, o nosso método que se adapta a cada tipo de corpo. 

Com o uso das Escalas fica tudo mais simples, pois são abolidos os cálculos matemáticos e a necessidade de se consultar tabelas já estabelecidas. Você vai criar o molde de acordo com as suas medidas. Respeitando o seu corpo e as suas características. Você ganha liberdade de criação.


SIGA O CORTE CENTESIMAL

Para saber mais sobre nossos produtos, visite o nosso site e as nossas mídias sociais.
SITE: www.cortecentesimal.com.br
LOJA VIRTUAL (E-Commerce):www.lojacentesimal.com.br
FACEBOOK: https://www.facebook.com/cortecentesimaloficial/
INSTAGRAM: @cortecentesimal
Blog Modelagem do Vestuário:
modelagemdovestuario.blogspot.com.br
YOUTUBE: Corte Centesimal
Telefone: (31) 3537-5292
WhatsApp: (31) 97149-5676 (Horário comercial - 9h às 12h e das 14h às 18h - Segunda à Sexta)
E-mail: atendimento@cortecentesimal.com.br

sexta-feira, 9 de outubro de 2020

A produção do vestuário

Método de Corte Centesimal e Sistema Moldecópia


Em todo trabalho a ser realizado na produção do vestuário existem duas fases distintas: a de preparação e a de execução. A preparação corresponde ao corte e a execução, à costura.

A parte referente ao corte pode ser aprendida através do Método de Corte Centesimal ou do Sistema Moldecópia.

Esses são os dois métodos de modelagem de roupas para tecido plano da nossa empresa Corte Centesimal. Nossos métodos ensinam como obter os moldes básicos e a técnica usada para modificá-los em busca de diferentes efeitos.

Portanto, se você deseja aprender a Modelagem de Roupas, ou “Modelagem do Vestuário”, você vai usar o Método de Corte Centesimal ou o Sistema Moldecópia.

Não há necessidade de adquirir os dois materiais. Você deve analisar qual dos dois atendem ao seu objetivo.


ATENÇÃO: Antes de adquirir qualquer material, leia com atenção as informações, visite o nosso site www.cortecentesimal.com.br, nosso blog modelagemdovestuario.blogspot.com.br, nossos álbuns de foto no Facebook, nossas postagens no Instagram, pra conhecer mais sobre a gente, nossa empresa, quem somos, nossa história e nossos produtos voltados para o ensino na modelagem de roupas.

Não compre por impulso. Só a compra do material por si só, não garante que você irá aprender. Portanto, certifique-se de que você tenha entendido bem e tenha tirado todas as suas dúvidas. Queremos que você aprenda de verdade uma de nossas técnicas de modelagem de roupas.

E se tiver qualquer dúvida, escreva para atendimento@cortecentesimal.com.br


(Na foto: livro e Escalas do Método de Corte Centesimal, com um molde de corpinho. Ao lado, livro e escalas do Sistema Moldecópia, com a base de corpinho frente. Essa base faz parte do conjuntos de moldes básicos que acompanham o material do Sistema Moldecópia.

Com o Método de Corte Centesimal a pessoa vai aprender a fazer essa base. No Moldecópia, essa base já vem pronta pra utilizar na confecção de outros modelos. )

domingo, 4 de outubro de 2020

Informe da Moda Nº239

Lançamento: Informe da Moda Nº 239 - 2020

LANÇAMENTO
É com alegria que comunicamos o lançamento de mais um exemplar do Informe da Moda. O Nº 239 com 5 modelos para você interpretar, com as suas próprias medidas.


O QUE É O INFORME DA MODA?

O Informe da Moda é uma publicação exclusiva da nossa empresa.

Ele é voltado para quem já conhece, já trabalha com o Método de Corte Centesimal, ou com o Sistema Moldecópia, busca aprimorar a interpretação de modelos que são tendências do momento e se aperfeiçoar como modelista.
 

COMO FUNCIONA O INFORME DA MODA?
A linguagem adotada é o desenho, o que contribui para uma rápida compreensão de como obter a modelagem a partir dos moldes básicos. Cada detalhe do modelo é considerado e você acompanha esse trabalho com segurança. 

Para nós, o Método de Corte Centesimal e o Sistema Moldecópia são a nossa "graduação". Já o Informe da Moda, é a nossa "Pós-graduação". 

QUANDO FOI CRIADO O INFORME DA MODA?
Ele foi criado por Dora Mello Silva, em 1978, filha da criadora do Método de Corte Centesimal, sua herdeira e responsável por dar continuidade ao Corte Centesimal. Desde a sua criação, foram mais de 200 edições do Informe da Moda, e mais de 1.400 modelos de roupas. Cada modelo vai acompanhado da sugestão de cor, tecido, além da explicação técnica para a construção da roupa. 


COMO É DISPONIBILIZADO O INFORME DA MODA?

A partir de 2015 os exemplares do Informe da Moda passaram a ser vendidos avulsos na nossa loja virtual. 

Em cada exemplar, você irá encontrar até 8 modelos impressos, em folha do tamanho A4. Que fique claro, portanto, que o molde não vai pronto. Você mesma é que vai construir o molde, com as suas próprias medidas. 

E para construir os seus moldes básicos, você irá utilizar o Método de Corte Centesimal ou o Sistema Moldecópia.

Os exemplares avulsos são enviados pelos Correios, impressos e coloridos. Se você quiser conferir os modelos, entre na nossa loja virtual. 

Mas, há outras opções disponíveis do Informe da Moda na nossa loja virtual. Antes de adquirir qualquer material, leia com bastante atenção as informações. Não adquira apenas por adquirir, ok? Se ainda tiver qualquer dúvida, mande para gente: atendimento@cortecentesimal.com.br.


QUAIS AS VANTAGENS DO INFORME DA MODA  

São inúmeras as vantagens do Informe da Moda: 

- Para quem é instrutora, a coleção do Informe da Moda é uma ótima oportunidade de se oferecer um curso de "Interpretação de Modelos". 

- Para quem tem confecção ou ateliê, ele é uma ótima fonte de inspiração para criação de modelos e de informação para resolução de peças mais elaboradas. As proporções já estão estudadas e ao mesmo tempo, ele traz informações técnicas e de tecidos. 

- Para quem costura como hobby, as vantagens também são as mesmas de quem tem uma confecção. A sugestão do tecido é ótima para quem tem pouca experiência, pois determinados modelos de roupas não são adequados para alguns tipos de tecidos. Você sabia disso? Você corre menos risco de errar na compra. 

- Pelo fato da moda ser cíclica e estar constantemente revisitando o passado, o que foi “moda” há 5, 10, 15, 30 anos, volta com outra releitura. Portanto, os exemplares do Informe da Moda são extremamente úteis, independente da época que fazem parte. A partir do momento que você domina o Método de Corte Centesimal e/ou o Sistema Moldecópia, você ganha liberdade para fazer novas releituras e adaptações modelo conforme o seu gosto. 

O Informe da Moda é a melhor maneira de se praticar a modelagem através do Método de Corte Centesimal e do Sistema Moldecópia e ainda por cima, acompanhar todas as tendências da moda. 


COMO POSSO ADQUIRIR O INFORME DA MODA?

Todos os nossos produtos estão disponíveis na nossa loja virtual, onde você encontra várias opções de pagamento, seja através de boleto bancário, ou também pelo cartão de crédito ou débito. Além do pagamento à vista, você tem também a opção de pagamento parcelado, em até 3 (três) vezes, sem juros. 

Acesse a nossa loja: http://www.lojacentesimal.com.br. Ou se você preferir, pode adquirir nossos produtos diretamente conosco, pelo e-mail atendimento@cortecentesimal.com.br, através de depósito bancário na nossa conta do Banco do Brasil.

CONFIRA ABAIXO OS MODELOS DO INFORME DA MODA Nº239 - 2020

5 modelos fazem parte do Informe da Moda Nº 239 





quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Conheça a Tricanti

 

As sócias Rafaela Viana e Marina Valle.


Você já viu uma roupa linda na vitrine de uma loja, mas na hora de experimentar foi uma decepção total?

O tecido estava torto, o que mostra que provavelmente não foi cortado no fio reto, caimento horrível, pinça fora do lugar, cava apertada e por aí vai.

Qual é o problema dessa roupa?

Basicamente é o corte. A modelagem. Como diz a dona Dora, da segunda geração da família do Corte Centesimal "A modelagem é a alma de uma roupa”.

Independente do caminho que irá seguir, se você vai trabalhar como designer de moda, estilista, mesmo que não vá trabalhar diretamente como modelista, é essencial que entenda, sim, sobre o processo de modelagem.

Aliás, sobre todas as etapas da construção de uma roupa.

Até para que você possa saber orientar a sua equipe e dialogar com o seu estilista, com a sua modelista, para poder passar o que você deseja. Uma boa modelagem pode ser fator de diferenciação num mercado com tantas opções.

A Rafa Viana, da marca Tricanti de Belo Horizonte, está completamente ciente dessa importância. E quando resolveu trocar a modelagem de bolsas pela modelagem de roupas, foi em busca de aprendizado. De conhecimento.

“Outro dia mesmo, estava comentando com a Elisa, como o Centesimal me ajudou na produção. Como eu entendo, consigo interferir diretamente, mesmo que eu fique mais na gestão da marca e não na produção em si.”, disse Rafaela Vianna.

Ela e sua sócia compartilharam conosco um depoimento lindo sobre como nasceu a sua marca de roupa. Para nós é uma felicidade imensa fazer parte da sua história.

A Rafa aprendeu o nosso Método de Corte Centesimal durante as suas aulas com a Elisa Sayuri, no espaço Sayuri Criativo, em Belo Horizonte (MG). A Elisa é instrutora credenciada do Corte Centesimal e tem uma escola de corte e costura na cidade. 

Rafaela e Marina são exemplos de que é possível sonhar, mas com os pés no chão. E com muito trabalho, dedicação e consciência dos seus papéis nesse mundo, temos certeza que a Tricanti vai longe. Parabéns, meninas!

Confira aqui o nosso bate-papo com a Marina Mendes Valle e Rafaela Viana, da Tricanti.



1) Como nasceu a Tricanti?  

Foto da Rafa durante as aulas de modelagem 


A Tricanti nasceu no final de 2019. Duas sócias, Rafa, advogada e designer de moda, e, eu, Marina, administradora, especialista em marketing, nos unimos com o propósito de criar uma marca cuja missão é trabalhar para um mundo melhor, valorizando e respeitando o trabalho humano e brasileiro. Desejamos fortalecer o consumo inteligente, oferecendo peças autênticas e de longevidade, e encantar nossos clientes com a “experiência Tricanti”.

Queremos fazer diferente. Queremos ser slow fashion, com evolução em pequenos passos para uma produção cada vez mais sustentável. Queremos inspirar e ser inspiradas e, com isso, fazer clientes-amigos ao longo do caminho, que também acreditam em uma marca que tem como valores a transparência; solidariedade. Desejamos, o respeito, o amor e o bom humor!

Claro que, hoje em dia, é difícil sermos 100% sustentáveis. Nenhuma marca é, apesar de muitas se autod
eclararem sustentáveis. Já pesquisamos bastante isso. O que procuramos é ser transparentes; termos uma cadeia produtiva onde se paga de forma justa a todas as pessoas envolvidas no processo e tentamos, sempre que possível, priorizar tecidos naturais e brasileiros. 

É um longo processo, mas acreditamos que, fazendo assim, vamos aos pouquinhos mudando principalmente a cabeça de quem consome... diminuindo o lixo no mundo, com o fortalecimento do consumo inteligente etc.

E o Corte Centesimal tem toda a “culpa” desse nosso amor pelas roupas e modelagem. Haha

Não só é o método que nossa modelista usa, mas, também, foi o que fez a Rafa se apaixonar, depois que conheceu e começou o curso da Elisa!



2) Como foi a escolha do nome? 

Registro feito pela Elisa Sayuri, professora de corte e costura da Rafaela. 

Tricanti é uma palavra inventada de um dia em que estávamos conversando sobre quais seriam os propósitos da nossa marca, de acordo com o que acreditamos.

Significa "3 cantos" - TRI CANTI (mas, como disse, foi inventada - e até registramos no INPI). Seriam nossos 3 cantos mesmo, o que mais acreditamos e os nossos maiores valores: fortalecer o consumo inteligente; fortalecer a produção local e encantar nossos clientes através da experiência tricanti, que acreditamos ser muito mais do que a simples compra e venda de produtos.



3) Como foi o desenvolvimento da modelagem para a marca?


Molde feito pela Rafaela durante as aulas. 

Esse foi o MAIOR desafio. Ainda é na verdade. Ontem mesmo estávamos padronizando esses tamanhos. Como nossa proposta é ser uma marca mais inclusiva mesmo, fazemos números maiores sob medida (já temos até clientes fixas). E nossos tamanhos "padrões" começam no PP - 38; P 40; M 42 e G 46. A partir do 46, sob medida. 

Temos uma garantia eterna. Chamamos de "Minha Tricanti Eterna", então se acontecer algum defeito na peça, consertamos a qualquer tempo.

Isso vai de encontro com o que acreditamos, com o consumo inteligente, com a longevidade das roupas (fazemos peças mais atemporais mesmo) etc. 



4) Como é feito o trabalho de modelagem e de costura?

Nossa equipe de modelista e costureira é terceirizada. A gente desenha as peças, escolhe os tecidos (damos preferência para fibras naturais: linho, viscose, mas, infelizmente, não conseguimos ainda fazer tudo usando apenas tecidos de fibras naturais).

Depois, passamos a ficha 
técnica para nossa modelista, que desenvolve o modelo pelo Método de Corte Centesimal. 

Ajudamos também a modificá-lo depois da peça piloto pronta. Fazemos um brainstorming sobre como podemos melhorar a modelagem. Às vezes usamos a moulage também.

Temos duas costureiras que trabalham com a nossa modelista, que cortam e costuram tudo. Outro dia mesmo estava comentando com a Elisa, como o Centesimal me ajudou na produção.


Rafaela com a sua professora Elisa Sayuri. 


5) Para você Rafaela, qual foi a importância de se aprender a modelagem de roupas?

Eu entrei no curso do Centesimal com a Elisa Sayuri, da escola Sayuri Criativo para entender os processos. 

Não que eu faça os moldes hoje em dia, porque a gente tem toda a marca para gerenciar, é a parte financeira, é o marketing, o relacionamento..., mas, entender o processo foi muito importante. Como disse anteriormente, hoje eu consigo chegar na prova da peça piloto e saber o quê que precisa modificar na modelagem, no molde, para que fique perfeito. Então, eu sou muito grata ao Centesimal, ao curso da Elisa Sayuri, acho que fez toda a diferença para mim. 

Eu acho que entender os processos é essencial. Antes, eu tinha uma marca de bolsas. Só que, depois que eu comecei a fazer a faculdade de moda e o curso de corte e costura da Elisa, eu cheguei a conclusão de que era preciso entender os processos e que eu não me interessava muito por modelagem de bolsas. Eu me interessava mesmo era por modelagem de roupas.

E as aulas de corte e costura com a
 Elisa Sayuri são maravilhosas. São quase dois anos de curso, com muito aprendizado e relaxamento também. 


6) Como é feito o descarte de resíduos decorrentes da modelagem e da costura?



Como empresa, nós temos uma preocupação enorme com esses resíduos. Até por conta dos nossos valores, pois acreditamos que precisamos fazer a nossa parte por um mundo melhor, pelo nosso planeta, para as pessoas consumirem de forma mais consciente.

Inclusive, nós agora temos o selo “EuReciclo”, que é uma logística inversa de reciclagem. A “EuReciclo” (@seloeureciclo) garante que marcas participantes, grandes ou pequenas, como nós, destinem recursos para o desenvolvimento da cadeia de reciclagem, contribuindo para o aumento das taxas de reciclagem no Brasil e formalização e valorização dos agentes trabalhadores dessa cadeia, por recursos destinados, via “EuReciclo”, aos operadores de coleta e triagem.

Sobre o descarte de restos de tecidos que sobram, nós doamos para um asilo de Lagoa Santa (MG) que faz trabalhos artesanais com esses retalhos. 



7) Que conselhos vocês dariam para quem está começando?

Marina e Rafaela usando um macacão da coleção da Tricanti, criado pela Elisa Sayuri. 


Criar algo que tenha a ver com a essência da pessoa, com os valores que ela acredita. Conhecer o processo também é fundamental para entender melhor a produção e saber organizar todo o processo de criação, do Croqui/ideia até a venda.

Ter disciplina e muito foco! E, claro, acreditar no sonho, que acho que é o primeiro passo pra qualquer coisa dar certo na nossa vida!


8) E quem quiser conhecer a loja?

A Loja física fica no Vila da Serra, Alameda Oscar Niemeyer, 474. Dentro do Villa Trends. Em Belo Horizonte, MG. 

Anote aí o site e também o Instagram da Tricanti:
Site: www.tricanti.com
Instagram: @tricanti_

Loja da Tricanti, em Belo Horizonte. 

Algumas criações da TRICANTI.

Calça reta, estilo alfaiataria, Tricanti. 



Blazer Heléne- Tricanti. 


Colete estilo alfaiataria da Tricanti. 



ATENÇÃO: Para ver todas as fotos desse nosso bate-papo, acesse a nossa página do Corte Centesimal no Facebook. 
--------------------------------------------------------------------------------------------------

TRABALHA COM OS NOSSOS MATERIAIS?
Se você também trabalha com o “Método de Corte Centesimal” ou com o “Sistema Moldecópia”, para fazer as modelagens das suas peças, marque a gente nas suas fotos, e use a hashtag #cortecentesimal, nas redes sociais.

Queremos conhecer a sua história e divulgar o seu trabalho.
Ou envie as suas fotos e o texto para o nosso e-mail: carolina@cortecentesimal.com.br.